Últimas

REINCIDENTE: Assessor de Márcia Lucena volta a ser denunciado por calúnia e difamação


Ton Melo, assessor de comunicação da Prefeitura de Conde
A pré candidata a prefeita do município de Conde, Karla Pimentel (PSD), denunciou, na manhã desta sexta feira (20), um assessor de comunicação de Márcia Lucena (PSB), uma funcionária da prefeitura e mais 2 pessoas pelos crimes de calúnia e difamação.

O assessor denunciado é Erbton Gonçalves de Melo, conhecido por Ton Melo, que tem utilizado o próprio perfil no Facebook para atacar opositores da atual prefeita nos âmbitos político e pessoal. É a terceira vez que Ton é denunciado pelo mesmo crime. No último dia 22 de julho Dr. Marcos Paulo, delegado da cidade de Conde, foi procurado por duas populares para registrar queixa contra o assessor conhecido por encabeçar a defesa de Márcia nas redes sociais (Leia a matéria).

Os outros denunciados são Rejane Nóbrega, também funcionária da prefeitura, Bertrand Lira e Vicente da Capadócia. Foi de Vicente que partiu o áudio, objeto da denúncia, que posteriormente foi editado como vídeo e publicado por Ton Melo.

No áudio a jurista Karla Pimentel é acusada de ter comandado as recentes invasões de terras na região da comunidade conhecida como Capadócia. A acusação surpreendeu a advogada que vem sendo acusada permanentemente de ações que não tem cometido desde que publicizou que concorrerá contra Márcia Lucena nas eleições do ano que vem.


 

"Recentemente fui acusada mentirosamente de soltar os criminosos que assaltaram em Mata de Chica e agora surge uma nova mentira injusta e covarde. Não é coincidência que as pessoas que criam estas mentiras sejam funcionários e parentes de Márcia Lucena, ou pessoas beneficiadas por ela. Está claro que a 'máquina' do poder está voltada contra mim e contra o povo de Conde", disse Karla Pimentel.

Desde o início dos ataques é a primeira vez que Karla procura a justiça: "A verdade precisa ser restabelecida e os culpados têm que ser punidos conforme prevê os artigos 138 e 139 do Código Penal".

Se condenados os denunciados poderão pagar multa e ter de 6 meses a 4 anos de prisão (somados os crimes), segundo o previsto no Código Penal Brasileiro. 

Boletim de Ocorrência:



Da Redação



Nenhum comentário