Notícias

Governo Federal retém 3,6 milhões nos repasses de Alhandra para compensar dívidas da Gestão Renato Mendes e Energisa cobra fatura de meio milhão

 

A Prefeitura de Alhandra, através da Secretaria de Finanças, foi surpreendida, ao receber os recursos do Fundo de Participação do Município (FPM) do Governo Federal, isso porque os repasses vieram com retenção, de forma automática, de mais de 3 milhões de reais. Esse montante foi devido à falta de repasse das contribuições trabalhistas de funcionários da prefeitura referente ao PASEP e Previdência Social, e houve também deduções da Saúde e FUNDEB da gestão anterior.

De acordo com a secretária Municipal de Finanças, Karol Rodrigues, o pagamento desta dívida dificulta o desenvolvimento municipal. “O ex-prefeito de Alhandra, Renato Mendes, não pagou as guias de Previdência Social referente aos direitos trabalhistas de funcionários. Dessa forma a Receita Federal debitou de forma automática dos repasses do FPM, dificultando o desenvolvimento e a execução de serviços importantes e essenciais ao município”, explicou Karol. Ela ainda disse que o município teve dedução de recursos da Saúde e do FUNDEB.

O prefeito de Alhandra, Marcelo Rodrigues, tem tentado negociar a dívida junto a Receita Federal para que o município possa pagar de forma parcelada e poder dar continuidade a ações e serviços essenciais ao município de Alhandra.

Desde o início do ano, a Prefeitura de Alhandra vem pagando dívidas. Só em 08 de janeiro, quando entrou a primeira parcela do FPM, que foi de R$ 923.733,50, (novecentos e vinte e três mil, setecentos e trinta e três reais e cinquenta centavos) e esse mesmo valor ficou retido para pagar as dívidas.


No dia 20 de janeiro entrou mais uma parcela no valor de R$ 215,322,90 (duzentos e quinze mil, trezentos e vinte e dois reais e noventa centavos), deste valor ficou retido R$ 192.085,49 (cento e noventa e dois mil e oitenta e cinco reais e quarenta e nove centavos) ficando em caixa apenas R$ 23.236,41 (vinte e três mil, duzentos e trinta e seis reais e quarenta e um centavo).

E as dívidas não pararam de chegar no dia 29 de janeiro, a prefeitura de Alhandra teve mais R$ 253.621,74 (duzentos e cinquenta e três mil, seiscentos e vinte um reais e setenta e quatro centavos) retido para pagar a dívidas. No dia 10 de fevereiro outra cobrança, R$ 1.304.716,97 (um milhão, trezentos e quatro mil, setecentos e dezesseis reais e noventa e sete centavos), em 19 de fevereiro foram mais R$ 92.116.14 (noventa e dois mil, cento e dezesseis reais e catorze centavos).

Em mais dois momentos aconteceram outras cobranças, no último dia 26 de fevereiro foram R$ 164.317,72 (cento e sessenta e quatro mil, trezentos e dezessete reais e setenta e dois centavos) e nesta terça-feira (10), mais uma, no valor de R$ 738.082,89 (setecentos e trinta e oito mil, oitenta e dois reais e oitenta e nove centavos). Desta forma a atual gestão teve que pagar de dívidas da gestão passada, um total de R$ 3.668.683,45 (três milhões, seiscentos e sessenta e oito mil, seiscentos e oitenta e três reais e quarenta e cinco centavos).


DÍVIDAS COM A ENERGISA

A Prefeitura de Alhandra foi comunicada pela distribuidora de energia elétrica, Energisa, que débitos referentes às faturas com valores de parcelamento firmados no ano passado chegam a mais de meio milhão de reais.

De acordo com a Secretaria Municipal de Finanças, a distribuidora de energia elétrica, encaminhou documento comunicando que a gestão anterior teria parcelado faturas de energia elétrica, que deveriam ter sido pagas até o dia 31 de dezembro de 2020.

Até o último dia do ano o valor totalizava R$ 502.975,06 (quinhentos e dois mil, novecentos e setenta e cinco reais e seis centavos).

Assessoria de Comunicação

Nenhum comentário